HISTÓRIA URBANA EM FATOS

História Urbana em Fatos

Espaço destinado a Fatos Pitorescos
e Urbanos de Santa Maria
Mande textos: para valeskasm@hotmail.com

A MARIA SEM QUEIXO



Texto da Professora de Letras Ligia Soares

Quem é esta que aparece como a alva do dia, formosa como a lua,
brilhante como o sol, formidável como um exército com bandeiras?
Cantares de Salomão 6:10

A Maria,já deve ter morrido: não acredito que neste 2010, ela ainda esteja viva e que o exército não tenha dado a ela uma sepultura? Nos anos 50, vinha sempre acompanhando a banda marcial do 7º RI, vestida com as cores da bandeira do Brasil: verde e amarelo.
Na cabeça de alfinete, de tão pequena que era trazia um quepe azul e uma faixa contornando os ombros e o tórax da cor do vestido. Contrariada gesticulava o tempo todo e pedia socorro à oficialidade, porque a seguia vários moleques de rua, zombando dela e atrás deles uma fila de guaipecas.
A Maria era protegida dos soldados todos que muito a amavam, espécie de boy "menina de recados" entre os oficiais e suas famílias ou a mascote do quartel.
Era esplêndido o espetáculo, as senhoras saíam as janelas para ver a Maria e a banda passar tocando hinos pátrios, era lindo de ver a Canção do Marinheiro - "Qual cisne branco que em noite de lua, vai deslizando"... combinava com a Maria aquele contexto todo: hinos, banda, música. O quadro era comovedor. Eu tinha uns 7 ou 8 anos e chorava de emoção ao ver a Maria passar: era um caniço de fininha, agitada pelo vento daquele burburinho todo e, ela passando ... passando ... eu pensava em abraça-la, mas ela parecia muito brava - dando gritinhos estridentes, a voz muito aguda que nem a banda abafava. Pudera... No dia 7 de setembro, seu vestido era de gala, feito de cetim, quepe de cetim, faixa de cetim.
Contavam que quando pequena, ficando órfão, fora atirada dentro de um chiqueiro de porcos. Daí a alcunha Maria Sem Queixo que Deus a tenha no paraíso. Agora, nos céus de Santa Maria, todas as noites, brilha uma estrlinha: é a Maria com o mais belo de seus sorrisos...

Fonte: LIGIA SOARES